Foto: Reprodução Daily Mail

Exercícios mentais são melhores do que remédios, para tratar a depressão.

É o que mostra um estudo realizado pela Universidade da Pensilvânia, nos EUA.

Exercícios mentais, como jogos de computador, podem ajudar as pessoas com depressão a proteger seus cérebros de reações emocionais negativas, revela a pesquisa.

Video Games

Estudos anteriores perceberam que distrações, como video games, podem ajudar a treinar o cérebro para combater a depressão.

Um estudo de 2017, realizado pela Universidade de Washington, descobriu que um aplicativo baseado em jogos chamado Projeto EVO melhorou o humor em adultos mais velhos diagnosticados com depressão tardia.

Os pesquisadores disseram que pessoas com depressão tendem a regular suas respostas emocionais usando distrações.

Eles descobriram que os cérebros das pessoas que sofrem de tristeza são mais propensos a serem afetados por memórias ruins do que aqueles sem o transtorno de saúde mental.

As pesquisas mostraram que os neurônios se espalham no “centro emocional” – uma área conhecida como amígdala.

O estudo sugere que a perturbação da memória poderia ajudar as pessoas a proteger seu cérebro de emoções negativas.

A pesquisa

Para o estudo, pesquisadores usaram exames cerebrais para examinar respostas emocionais associadas a memórias negativas.

Eles coletaram dados de 29 pacientes deprimidos que não estavam tomando nenhuma medicação e 23 pessoas sem histórico de depressão.

Os participantes foram convidados a lembrar memórias dolorosas “para permitir que suas emoções se desenrolassem naturalmente”, escreveram os pesquisadores.

Os pesquisadores descobriram que aqueles com o transtorno de saúde mental relataram sentir-se pior quando traziam lembranças ruins à mente do que aqueles que não tinha nenhuma desordem.

Os cientistas perceberam que as respostas emocionais indicaram um aumento da atividade no “centro emocional” do cérebro e sua interação com o hipocampo – uma região cerebral importante para a memória.

Quando os participantes foram convidados a recordar essas memórias como um “observador distante” – concentrando-se apenas nos fatos – aqueles com depressão conseguiram afinar essas emoções negativas aumentadas em níveis normais, enfraquecendo uma região do hipocampo associada à lembrança de memória específica detalhes.

“Quando eles estavam usando essa estratégia, as pessoas com [transtorno depressivo maior] apresentaram um padrão de atividade cerebral comparável ao que foi demonstrado pelos controles saudáveis, com uma diferença fundamental – maior amortecimento de uma região do hipocampo posterior, que foi associada com a lembrança de detalhes específicos da memória “, disse o autor principal Dr. Bruce Dore, especialista em neurociência da comunicação.

A descoberta sugere que indivíduos deprimidos podem regular suas respostas emocionais para memórias dolorosas, tornando mais difícil lembrar detalhes específicos dessa experiência.

“Isso geralmente sugere que pessoas depressiva são capazes de regular suas emoções quando instruídas”, disse o Dr. Dore.

“Mas elas podem tender a fazê-lo de forma anormal – como ser mais propensos a usar estratégias problemáticas, como distração”, acrescentou.

Os pesquisadores do estudo disseram que suas descobertas são consistentes com a noção de que pessoas com depressão poderiam se beneficiar de um treinamento que se concentre em identificar e efetivamente usar estratégias adequadas para a regulação emocional.

Anúncios